Inimigos da Cruz de Cristo 3

(Lc. 9:23-27)


INTRODUÇÃO: Paulo ao escrever aos cristãos de Filipos usa uma expressão muito forte e contundente referindo-se a pessoas das quais ele já havia comentado com os Filipenses que viviam como inimigos da cruz de Cristo (Fp. 3:18). Esta abordagem do apóstolo me levou a pensar que nós também evidenciamos na nossa vida certas atitudes que mais nos caracterizam nestes momentos como se fossemos também inimigos da cruz de Cristo. Esta passagem bíblica é um chamativo divino ao compromisso, aqui somos desafiados a levarmos a cruz, porém muitos querem levar esta cruz em pedaços e isto se torna inadequado em relação ao chamativo divino, pois precisamos levar a cruz por completa e isto compreende que se queremos fazê-lo é preciso que entendamos que o levar a cruz completa requer uma atitude de disponibilidade para com o discipulado, devoção, santidade, prontidão e renúncia. Muitos querem levar a cruz, porém não oram, não lêem mais a Bíblia, não testemunham de Cristo, não aceitam as provações como um meio de aprendizado, não assumem suas responsabilidades de bons mordomos das coisas de Deus, são exemplos negativos de filhos, pais e cônjuges, não fazem nada na igreja e pela igreja e se dependessem deles a igreja fecharia as suas portas, porque nem o mínimo de contribuir financeiramente não o fazem, vivem muitas vezes como se fossem inimigos da obra de Cristo. Aqui o Senhor Jesus nos apresenta uma condição vital para o discipulado, porém nas entrelinhas nos mostra também alguns opositores relativos ao nosso comportamento que poderíamos chamar também de inimigos da cruz e dai gostaria de compartilhar certas verdades na passagem bíblica partindo da tese de que

SÓ POR MEIO DO CRUZ DE CRISTO É QUE EXPERIMENTAMOS VERDADEIRAMENTE A VITÓRIA

INIMIGOS QUE NOS IMPEDEM DE EXPERIMENTAR A VITÓRIA QUE HÁ NA CRUZ DE CRISTO

I- A MINHA VONTADE PRÓPRIA (V 23)

A relação com a cruz de Cristo tem sempre a sua base no convite de Jesus que é liberal (Mt. 9:9)

O chamado para com o envolvimento com a cruz é universal e não condicionado a grupos específicos (Ef. 2:13-16)

De certa forma em que áreas de minha vida a vontade própria tem prevalecido sobre a vontade de Deus (Fp. 2:21; Cl. 4:12)

II-A MINHA INCONSTÂNCIA HUMANA (V 23b – 24)

O compromisso com a cruz de Cristo não é uma atitude circunstancial, porém relacional (Gl. 6:14)

O comprometimento com a cruz de Cristo é uma ação contínua e permanente (Os. 6:3)

A preservação da vida está condicionada por uma atitude de perda aparente (Fp. 1:21)

Qual resposta tenho dado em relação a minha devoção pessoal e também para com as atividades nas quais sou responsável dentro do contexto do reino de Deus (Cl. 3:1-3)

III-ALGUNS DOS MEUS PROJETOS PESSOAIS (V 25-26)

Na matemática da vida não há compensação para ninguém que coloca sua confiança em Mamom (Fp. 3:7)

A inversão de valores é uma das manifestações de desprezo para com os valores da palavra de Deus (Mc. 10:21-23)

De que forma minha vida tem sido conduzida no que diga respeito a priorizar somente meus projetos individuais e não os de Cristo (At. 20:24; Fp. 3:13-14)

CONCLUSÃO: 1- O que tem regido a sua vida em relação a proposta do discipulado, a vontade de Cristo ou a sua própria vontade?

2- Você é daqueles que nunca desistem quando está envolvido em algo na obra de Deus ou você é daqueles que nem sequer se envolve?

3- Seus projetos pessoais estão sempre condicionados  um segundo plano e os de Cristo sempre tem a primazia ou prioridade?

3 thoughts on “Inimigos da Cruz de Cristo

  1. Reply Ruuy Jun 26, 2011 23:53

    Comunidade do Geração que voa’

    Vamos participar !

Leave a Reply

  

  

  

Protected by WP Anti Spam