CULTIVANDO A VISÃO EM MEIO AS OPOSIÇÕES – Ne. 4:1-6

INTRODUÇÃO: Sem dúvida alguma creio que aquilo que mais gera desconforto á vida, trazendo assim também certos desencantos em relação a objetivos nos quais estamos envolvidos, é o lidar com as oposições relacionais do cotidiano. Ninguém gosta de conviver com situações difíceis, de lidar com pessoas que vivem para contrariar, opondo-se àquilo que julgamos ser a direção correta que Deus nos dá para seguir. As oposições tem o poder de querer minguar e destruir nossos mais fascinantes projetos de vida, elas tentam minimizar até mesmo o valor que temos em relação a nós mesmos e também em relação ao que é inconstante em relação a Deus. As oposições existem para mostrar o diferencial existente entre aqueles que são inconstantes e àqueles que são perseverantes.
A grande verdade é que as oposições necessitam fazer parte da rotina de vida daqueles que vão à luta, daqueles que sabem que numa jornada o caminho nem sempre será aplanado com pétalas de rosas, mas havendo também um recheio encurvado de espinhos nesta caminhada.
Podemos aprender aqui com o homem de Deus Neemias que não podemos fazer vistas grossas às oposições, ignorando-as e nem tão pouco aceita-las como persona grata, mas devemos denunciá-las quando se tornam algo fora do nosso controle de resolução, por isso Neemias nos ensina neste texto que:

A VISÃO QUE TENHO DAS OPOSIÇÕES É A VISÃO QUE TEREI DE DEUS

REAÇÕES QUE MOSTRAM QUE A VISÃO QUE TENHO DAS OPOSIÇÕES É A VISÃO QUE TENHO DE DEUS

I-    EM RELAÇÃO ÀQUILO QUE FALAM DE MIM – (V 1 A 3)
  •  Mesmo que sejamos alvos da ira, indignação e escárnio dos outros (I Pe 3: 16 e 17)
  •  Mesmo que nossa autoestima seja colocada em cheque (I Sm 17: 28, 42 a 44)
  • Mesmo que nossa força e capacidade sejam questionadas (Nm 13: 30 e 31)
  •  A maneira como reajo em relação a comentários que se façam de mim define minha visão.
II-    EM RELAÇÃO ÀQUILO QUE FAÇO COM MINHA ESPIRITUALIDADE – (V 4 E 5)
  •  Buscando solução pela oração no lugar seguro quando formos desprezados (At. 4: 27 a 29
  • Buscando a justiça não com as nossas mãos, mas com e através de Deus (Rm 12: 18 e 19)
  •  Buscando o juízo da parte de Deus em relação à afronta feita a Ele por aqueles que nos opõem (Jr 9: 23 e 24)
  •  A forma como conduzo a minha vida espiritual define a minha visão.
III-    EM RELAÇÃO ÀQUILO QUE FAÇO COM OS MEUS IRMÃOS – (V 6)
  •   Somos uma família que trabalha juntos para a edificação do reino de Deus aqui na terra (Ef. 3: 8 a 12)
  •  Somos uma família que jamais desiste, pois temos alvos bem definidos (Ap 3:10)
  •   Somos uma família contagiada pelo ânimo ao trabalho para com a obra de Deus (II Tm 1:16 e 17: I Pe. 3: 8 e 9)
  •   O jeito como me relaciono com meus irmãos na realização da obra de Deus define minha visão

CONCLUSÃO:
1. A visão que tenho quando sou provado em relação a certos comentários que se façam de mim, me fazem reagir imprudentemente ou sabiamente?
2. Quando as pressão sobre mim tomam proporções maiores, tenho parado para buscar soluções no Senhor ou eu mesmo faço as soluções?
3. Qual visão tenho desenvolvido em relação ao trabalho no reino de Deus?… Sou aquele que não se envolve, apenas contemplo ou sou o primeiro a motivar as pessoas ao meu lado e os mais céticos?

Pr. Carlos Norberto da Silva

Leave a Reply

  

  

  

Protected by WP Anti Spam